a revolução praieira

14 de dezembro de 2009 by

É importante lembrar que, apesar de a revolução ter sido liderada por liberais, ela ainda não tinha caráter essencialmente republicano: apenas alguns de seus participantes apoiavam a proclamação da República.

Muitos dos revoltosos foram presos por que outros desses, traíram o movimento.

a repressão

14 de dezembro de 2009 by

A Província foi pacificada por Manuel Vieira Tosta, indicado como novo presidente, auxiliado pelo Brigadeiro José Joaquim Coelho, novo Comandante das Armas. As forças rebeldes foram derrotadas nos combates de Água Preta e de Iguaraçu.

Os líderes do movimento pertencentes à classe dominante, foram detidos e julgados apenas em 28 de novembro de 1851, quando os ânimos na província já tinham serenado, ocasião em que o governo imperial pôde lhes conceder anistia. Voltaram, assim, a ocupar os seus cargos públicos e a comandar os seus engenhos.

Por outro lado, os rebeldes das camadas sociais menos privilegiadas – rendeiros, trabalhadores e outros – não tiveram direito a julgamento e, ou sofreram recrutamento forçado ou foram anistiados por intervenção de seus superiores para retornarem ao trabalho, exceto aqueles que foram sumariamente fuzilados durante e logo após os combates.

manifesto ao mundo

14 de dezembro de 2009 by

O manifesto ao mundo defendia:

  • o voto livre e universal do povo brasileiro;
  • a plena e absoluta liberdade de comunicar os pensamentos por meio da imprensa (liberdade de imprensa);
  • o trabalho, como garantia da vida para o cidadão brasileiro;
  • o comércio a retalho só para os cidadãos brasileiros;
  • a inteira e efetiva independência dos poderes constituídos;
  • a extinção do Poder Moderador e do direito de agraciar;
  • o elemento federal na nova organização
  • a completa reforma do Poder Judiciário, de forma a assegurar as garantias dos direitos individuais dos cidadãos;
  • a extinção da lei do juro convencional;
  • a extinção do sistema de recrutamento militar então vigente.

Apesar do caráter liberal da revolução, os revoltosos não cogitavam a abolição da escravidão.

uma revolta na praia

11 de dezembro de 2009 by

Irineu Evangelista de Sousa

11 de dezembro de 2009 by

Irineu Evangelista de Sousa nasceu no Arroio Grande,no dia 28 de dezembro de 1813 e morreu no dia 21 de outubro de 1889 em Petrópolis. Foi um empresário, industrial, banqueiro e político brasileiro. Ao longo de sua vida recebeu os títulos de barão (em 1854) e de visconde com grandeza (em 1874) de Mauá. É patrono do Ministério dos Transportes e pioneiro em várias áreas da economia do Brasil. Um de seus maiores feitos foi ter empreendido a construção da primeira ferrovia brasileira, a Estrada de Ferro Mauá, no estado do Rio de Janeiro.

De origens simples, ascendeu socialmente pelos próprios méritos e iniciativa, sendo considerado um dos homens mais importantes do país à época, estando à frente das principais iniciativas de progresso econômico no Segundo Reinado. Então incompreendido por uma sociedade rural e escravocrata, atualmente é considerado o símbolo dos empreendedores capitalistas brasileiros do século XIX. Foi precursor no Brasil da valorização da mão-de-obra, do investimento em tecnologia, das transnacionais brasileiras, da globalização, do multilateralismo e do Mercosul. Sua biografia ficou conhecida graças à exposição de motivos que apresentou aos credores e ao público ao ficar pobre (falir), em 1887.

Da infância à juventude

11 de dezembro de 2009 by

 

 

Visconde de Mauá ao final da década de 1850.

      Natural da Freguesia de nossa senhora da Conceição em Arroio Grande, à época distrito de Jaguarão, na então Capitania de São Pedro do Rio Grande do Sul, era filho de João Evangelista de Ávila e Sousa e de Mariana de Jesus Batista de Carvalho, sendo neto( paterno ) do fundador da Freguesia, Manuel Jerônimo de Sousa.

      Aos cinco anos de idade perdeu o pai (em 1818), vítima de um tiro de ladrões de gado. Dois anos depois, por pressão da família, sua mãe casou-se com João Jesus, mas como ele não desejava os filhos da viúva, a mais velha, Guilhermina, foi casada aos onze anos de idade, e Irineu, entregue ao tio Manuel José de Carvalho (ficou com seu tio de 1802 em Arroio Grande até 1 de novembro de 1875 em Rio Claro). Nesse período recebeu, no interior de São Paulo, as primeiras letras. Mais tarde, aos nove anos de idade, Irineu seguiu com outro tio, José Batista de Carvalho, comandante da marinha mercante, que transportava em seu navio couros e charque do porto do Rio Grande para o Rio de Janeiro (capital do Império do Brasil na época). Ali se ocupou como caixeiro em um armazém, das sete horas da manhã às dez da noite, a troco de moradia e comida. Aos onze anos de idade foi trabalhar no comércio do português Antônio Pereira de Almeida (em 1824), onde se vendiam desde produtos agrícolas até escravos (a maior fonte de renda do comerciante) , de quem se tornou empregado de confiança, vindo a ser promovido, em 1828, a guarda-livros.

       Diante da falência do comerciante, no contexto da crise do Primeiro Reinado, liquidou as dívidas do patrão. Por recomendação do antigo empregador, foi admitido na empresa importadora do escocês Richard Carruthers (em 1830), onde aprendeu inglês, contabilidade e aperfeiçoou a arte de comerciar. Aos vinte e três anos tornou-se gerente (em 1836) e, logo depois, sócio da empresa. Quando Carruthers retornou para a Grã-Bretanha,(em 1839, Irineu assumiu os negócios da empresa. Adquiriu uma chácara em Santa Teresa (Rio de Janeiro) onde foi residir e auxiliou conterrâneos envolvidos na Revolução Farroupilha a escapar de prisões no Rio de Janeiro.

Irineu Evangelista de Sousa

11 de dezembro de 2009 by

 

Irineu Evangelista de Sousa nacseu em Arroio Grande, no dia 28 de dezembro de 1813 e faleceu em Petrópolis,no dia 21 de outubro de 1889. Foi um empresário, industrial, banqueiro e político brasileiro. Ao longo de sua vida recebeu os títulos de barão (em 1854) e de visconde com grandeza (em 1874) de Mauá. É patrono do Ministério dos Transportes e pioneiro em várias áreas da economia do Brasil. Um de seus maiores feitos foi ter empreendido a construção da primeira ferrovia brasileira, a Estrada de Ferro Mauá, no estado do Rio de Janeiro.

 

Retrato de Visconde de Mauá ( Irineu Evangelista de Sousa )

De origens simples, ascendeu socialmente pelos próprios méritos e iniciativa, sendo considerado um dos homens mais importantes do país à época, estando à frente das principais iniciativas de progresso econômico no Segundo Reinado. Então incompreendido por uma sociedade rural e escravocrata, atualmente é considerado o símbolo dos empreendedores capitalistas brasileiros do século XIX. Foi precursor no Brasil da valorização da mão-de-obra, do investimento em tecnologia, das transnacionais brasileiras, da globalização, do multilateralismo e do Mercosul. Sua biografia ficou conhecida graças à exposição de motivos que apresentou aos credores e ao público ao falir, em 1887.

 

Resultados

11 de dezembro de 2009 by

A batalha teve duas partes. Na primeira parte, depois de enfraquecidos, os navios brasileiros recuaram para depois retornarem mais fortes e com mais embarcações. Já a segunda parte foi dominada pelos brasileiros, que conseguiram anular o poder de combate dos navios paraguaios e colocar quatro outros navios inimigos em fuga.

No fim do dia, as tropas paraguaias foram vencidas e o bloqueio naval dos aliados estava garantido.

Tréqua

11 de dezembro de 2009 by

Somente em 1865, quando o rei belga Leopoldo I deu razão para o Brasil, o Brasil reatou com a Inglaterra.

causas e consequências

11 de dezembro de 2009 by

A causa imediata dessa revolução foi a destituição, por Dom Pedro II, as consequências foram que iniciou-se a segunda etapa do segundo império, um período de tranquilidade política, fruto do Parlamentarismo e da Política de Conciliação implantados por Dom Pedro II, e da prosperidade trazida pelo café.